Arquivo para fevereiro \25\UTC 2012

Intensidade

Quando tinha por volta de 11 ou 12 anos, minha falta envergadura me incomodou, não era exatamente baixinho, mas queria ser maior. Lembro que fui a um especialista com minha mãe e o mesmo afirmou que era tarde demais para fazer um tratamento hormonal, eu já estava muito velho. Então simplesmente fui obrigado a me conformar em ter uma altura mediana.

Partindo deste episódio retirei um aprendizado e tomei uma decisão, aprendi a não esperar demais para resolver as coisas, pois pode perder a chance e ser tarde demais, e resolvi que de mediocridade na minha vida bastava a altura, e a busca pela excelência tornou-se um lugar comum.

Este prologo é apenas para tentar contextualizar a fase atual da minha vida. Seria injusto reclamar de uma posição na qual milhares gostariam de estar, saudável, bem empregado, etc. Porém a angústia que as vezes me consome e que eu muitas vezes não consegui descobrir a origem, tem aumentado de frequencia com a velocidade que passam meus dias de vida. Fazendo essa associação formulei uma teoria que me parece plausível.

Meu ritimo acelerado, somado a busca pelo melhor, confrontado com a realidade imposta pela vida e minha impotencia em relação a isso, me deixam angustiado. Eu queria ser maior, mas o doutor vida me afirmou que as coisas não são como eu quero e que se eu tiver que crescer vai ser no tempo que ele quiser.

Mais uma vez consternado sou obrigado a aceitar minha insignificância, minha incapacidade de resolver tudo que eu quero e na velocidade que eu quero.

Gostaria apenas meus sentimentos não tivessem tanta intensidade.

Anúncios

My Way

Sempre que escrevo tomo como base algo que me inspirou, indignou, incomodou, etc. Ou seja, algo que de alguma maneira me fez refletir e minha escrita é o resultado da reflexão. Este é um caso diferente, não tenho o que acrescentar a genialidade da letra desta música, faço apenas a resalva que nunca vou entender porque desde sempre me senti tão velho, e acreditando enxergar o final de uma estrada que apenas comecei a trafegar. Fica assim inaugurada uma nova categoria no blog, copiado e colado.

http://www.youtube.com/watch?v=oSRk39B6QqQ

Meu Jeito

E agora o fim está próximo
Então eu encaro o desafio final
Meu amigo, Eu vou falar claro
Eu irei expor meu caso do qual tenho certeza
Eu vivi uma vida que foi cheia
Eu viajei por cada e todas as rodovias
E mais, muito mais que isso
Eu fiz do meu jeito
Arrependimetos, eu tive alguns
Mas então, de novo, tão poucos para mencionar
Eu fiz, o que eu tinha que fazer
E eu vi tudo, sem exceção
Eu planejei cada caminho do mapa
Cada passo, cuidadosamente, no correr do atalho
Oh, mais, muito mais que isso
Eu fiz do meu jeito
Sim, teve horas, que eu tinha certeza
Quando eu mordi mais que eu podia mastigar
Mas, entretanto, quando havia dúvidas
Eu engolia e cuspia fora
Eu encarei tudo e continuei de pé
E fiz do meu jeito
Eu amei, eu ri e chorei
Tive minhas falhas, minha parte de derrotas
E agora como as lágrimas descem
Eu acho tudo tão divertido
Em pensar que eu fiz tudo
E talvez eu diga, não de uma maneira tímida
Oh não, não, não eu
Eu fiz do meu jeito
E pra que serve um homem, o que ele tem ?
Se não ele mesmo, então ele não tem nada
Para dizer as coisas que ele sente de verdade
E não as palavras de alguém que se ajoelha
Os registros mostram, eu recebi as pancadas
E fiz do meu jeito

A fragilidade do ser humano e a insignificância das nossas atitudes.

Evidentemente, pelo título se pressupõe ser esse um post lamurioso, fatalista e depressivo. Mas eu encaro mais como algo realista, uma visão mais correta do que somos como seres humanos e do quanto somos frágeis e temos muito pouco controle sobre nossas vidas.

Não posso omitir que a inspiração para esta escrita foi um mal súbito sentido por um colega enquanto trabalhava. No alarde típico das situações que fogem da rotina se chegou a notícia de enfarte, AVC e outros males piores que pontualmente me fizeram chegar lágrimas aos olhos e temer pelo pior. A grande questão é que este colega que tenho na mais alta estima é um atleta, está na faixa dos 50 anos, tudo bem, mas tem uma alimentação regrada e atividade física constante. Juntando isso ao fato de ser uma das pessoas mais justas e ponderadas que conheço, me pergunto: Apesar de o mesmo ter feito tudo para ser saudável fisicamente e ter atitudes que o colocam no hall de uma boa pessoa, não impediu que acontecesse o fato? Que desta vez (graças a Deus) foi mais um susto, mas que acontece de forma parecida com várias pessoas com este mesmo perfil e são fatais.

O grande questionamento que me faço é: Vale a pena?, Procurar ser bom, dar o seu melhor, levar uma vida saudável, ser generoso e amigo, fazer tudo isso às vezes dá um trabalho imenso, é uma vida certamente muito mais complicada do que de quem não está nem aí, egoístas, sociopatas e nós cegos pelo mundo tomam red Bull e a leveza que as assas lhes dão fazem a vida deles “mais fácil”.

Mas como respondendo a uma prova para qual estudei toda a minha vida, tendo meus pais como professores, ( mesmo que minha mãe agora não enxergue mais o filho do qual já se orgulhou um dia), respondo sem pensar e sem medo de errar que vale a pena sim. Todo o trabalho que dá para ser uma pessoa de bem, uma pessoa “admirável”, tem seu pagamento imediato na satisfação pessoal de ver um trabalho bem feito, na sensação de causar uma felicidade verdadeira a alguém, no calor de um abraço sincero de alguém que realmente gosta de você. Isso sem entrar no mérito da religião, carma, próximas vidas, que precisariam de um texto próprio devido a sua complexidade.

Muitas pessoas que gostam de mim me alertaram sobre minha inocência, sobre minha ilusão que posso abrir a mente das pessoas, o amigo citado acima foi um deles, sei que não vou vencer o sistema, mas infelizmente não vou deixar o sistema me vencer também.

Legado

Muitas vezes me pergunto se sou estranho ou apenas maluco como todos. De cada detalhe na rua despertam ramificações e desdobramentos daquele cenário. De um filme que assisto vejo meus colegas transportados para a tela, tamanha a semelhança entre as situações deles com a vida real.
E esse texto surgiu assim, da minha loucura. Assisti a um documentário sobre como os governantes de Londres tentam deixar um Legado após a olimpíada, tentam fazer o evento ser mais do que apenas enriquecer políticos e construtoras. Logo em seguida assisti ao filme Sem Lei, (com Bruce Willis), o filme é bem mais ou menos, mas a trilha parecia feita por encomenda para o momento, O Bboss com sua música remembered, me obrigaram a levantar para escrever.
Basicamente a letra questiona como você quer ser lembrado? Por sua honra ou por seu orgulho. Por seu corpo ou pelo que você pensa. Resumindo qual o legado que queremos deixar para a sociedade.
Existe toda uma cobrança sobre os governantes para que se apliquem bem os impostos, para que se tenha opção de lazer para os mais pobres, educação pública de qualidade, segurança, etc.
Eu concordo que devemos cobrar para podermos viver em um mundo melhor, mas não me sinto nem um pouco inocente quando afirmo que se cada um se preocupasse com o legado que vai deixar, já seria um passo gigantesco.
Procuro ser uma pessoa de bem, ajudar aos outros sempre que posso e da melhor maneira possível. Mas mesmo assim sinto minhas atitudes como insignificantes, é como o pássaro que tenta apagar o fogo na floresta sozinho (e eu não tenho nem um terço da fibra moral daquele pássaro), porém eu continuo, porque talvez eu não realize grandes feitos para a humanidade, nem para meu país ou meu estado, bairro, rua. Mas tenho a convicção de como eu quero ser lembrado. Que é como uma pessoa que sempre fez o melhor que pode, ainda que esse melhor seja quase nada, quero que depois que eu desencarnar encontrem minha filha na rua e digam: – Conheci seu pai, ele foi uma boa pessoa.
O meu legado é a ética, a cultura, os princípios, a determinação e a educação  que tento passar não só para minha filha, mas para todos com quem convivo.
E você como gostaria de ser lembrado?