Arquivo do Autor

Uma mudança esta chegando

Eu nasci em um gueto, onde tudo incitava para o que não era lícito ou não teria futuro, exceto pelos meus familiares e principalmente pelos meus pais, que sempre demonstraram por suas atitudes que o caminho do bem apesar de tortuoso era sempre melhor.
Me preparei para superar todos os obstáculos que imaginei que apareceriam, e apareceram, ainda piores do que minha imaginação poderia projetar, mas ultrapassei. Ou melhor, estou ultrapassando.
Obstáculos não calculados apareceram nesta jornada, e ainda bem que apareceram, pois me obrigaram a voltar a escrever, onde eu posso levar vários a pensar melhor, mas principalmente ajudar milhares a verem outros lados de situações.
Queridos amigos desprovidos de poder de decisão, vocês serão injustiçados, isso é um fato que não cabe contestação, porém por incrível que pareça isso pode ser positivo. Sim pode transformá-los em pessoas melhores, pois ao se confrontarem com suas reais posições na sociedade podem optar por agir diferente.
Lealdade para mim é algo imprescindível, mas se a quem você é leal não coaduna desta ação? Existe lealdade unilateral? Eu, no cúmulo da minha ignorância acredito que não, e esse é o fator que da o start, permitindo o estrangeirismo deste texto, me aceito apropriar.
Funcionário dedicado a empresa, sempre voltado para melhorar o processo, tomado como problemático indisciplinado e descartável? Esse certamente não se chama Bruno Queiroz Batista Sousa ou Manoel da Silva, nomes agora são irrelevantes.
Reconhecimento do grupo que fazia parte sempre foi meu foco, e isso independente do grupo, pois nunca trabalhei só e tenho o maior prazer em exaltar meus colegas de trabalho, que com certeza sem os quais não poderia fazer nada em um processo tão conplexo como o que trabalho.
O foco que não pode ser perdido é que por melhor que você trabalhe, por melhor que desempenhe sua função, não terá garantido seu lugar no Olimpo, pois o Olimpo foi um local reservado à alguns poucos no qual o critério da reserva não foi divulgado, não importa a qualidade do seu trabalho, você continuará sendo um plebeu, ou seja, caso você não seja um escolhido , sempre será apenas mais um.
Mas esse não é um texto comodista, a realidade existe e é dolorosa, aceitar as intempéries sem tentar ir de encontro a correnteza é o caminho mais fácil, mas também é o caminho que todos esperam que você adote. Mostrar – se melhor, mostrar que foi um erro terem te descartado é muito mais construtivo e gratificante, e, além disso , tem o fator de enaltecer sua alto estima, que não é primordial mas sempre ajuda.
Resumindo, as coisas acontecem, e isso não controlamos, mas saber o que fazer com isso cabe a nós, faça sua escolha.

Mudanças que comprovam a evolução

A constatação de que os seres humanos são mutáveis ao longo dos anos é tão obvia que chega a ser banal. Contato com novas pessoas, novas culturas, novas situações, tudo que é novidade serve para moldar esse novo alguém que vai surgindo com o tempo. Porém, nessa panela onde essa nova criatura está se formando, também estão as outras pessoas que conviviam com o antigo ser, e que igualmente estão passando por mudanças. Como então laços que aproximavam essas pessoas, que tornavam as relações sólidas, possíveis, indestrutíveis, podem continuar existindo e resistindo a tudo isso?

Talvez esse seja apenas um dos exemplos que comprovam a capacidade de adaptação dos humanos, onde diferenças são superadas em prol de algo maior, ou, ao menos, um exemplo de que somos seres tão apegados ao que já conhecemos que não queremos abrir mão do que algum dia já foi prazeroso, mas hoje pode ser chamado no máximo de melancolia.

Ambas as ideias, mesmo que antagônicas podem estar corretas. Durante a vida, com trabalho, estudo, viagens, casamento, filhos, nos tornamos pessoas diferentes. Mas a essência continua a mesma dirão alguns, será? Se eu não uso as mesmas roupas, não escuto as mesmas músicas, não frequento os mesmos lugares, não como as mesmas comidas, etc. Como podemos definir essa essência? Não digo que seja impossível, apenas extremamente complicado. E acredito não ser essa essência subjetiva que faça as pessoas continuarem convivendo juntas ou não, mas sim se temos êxito em elevar o nosso próximo conforme formos nos elevando, ou, em um cenário mais deprimente não permitamos que as pessoas ao nosso redor cresçam, mantendo – as ao nosso lado em um patamar inferior.

Nesse ciclo constante que é a luta por evoluir, ajudar, conhecer novas pessoas e recomeçar, que se dará nossa história, isso irá determinar o amigo que é pra vida toda e o que ficou pelo caminho, o casamento eterno ou o divórcio inevitável, se a relação pais e filhos pode realmente ser chamada de relação ou tornou – se mera demonstração para sociedade.

Claro que existem exceções, existem os abnegados que passam toda a vida tentando elevar quem não quer ser elevado, e eles merecem todo consideração, e ainda não imaginem neste texto uma conotação puramente religiosa, da nossa evolução como seres humanos não será definido apenas quem estará ao nosso lado, mas se ainda existiremos, em qualquer lado.

Matemática

Sempre gostei de conjuntos, o tema da matemática que lida com a reunião de fatores.
Seres humanos são conjuntos, todos a quem conhecemos e tudo o que vivemos formam a essência de quem nós somos.
Existem muitas teorias de como se dá a formação de cada ser, alguns defendem que é algo de nascença, outros que é fruto das experiências de vida, porém de qualquer maneira existe interferência de ambos.
Podemos renegar nossos impulsos, ou podemos agir por incentivo de parentes e conhecidos, mas quem nós somos é a união dos dois, isso associado a escolha que fazemos quando as ideias são conflitantes.
Aceitar quem se tornou nem sempre é algo fácil, pois as aspirações infantis muitas vezes não correspondem as vontades de adulto, discernir sonho de realidade é muito complicado, ainda mais em situações na qual a jura de amor foi feita a anos atrás. É fácil nos perdermos no tempo e ficarmos sem saber porque estamos onde estamos.
Um texto esquizofrênico para ajudar quem duvida de onde está e porque está ali, tudo é fruto de nossas escolhas, não podemos nos abstrair disso, mais todos podem mudar, a mudança sempre é possível quando o resultado atual não satisfaz.
Coragem, o desconhecido é assustador, mas o prêmio pode ser gratificante, se precisar mude, se está ruim o resultado tende a ser melhor.

Escolhas

Uma nova chance, oportunidade de fazer diferente, seja para o que for. Um novo diálogo, uma nova atitude, uma nova escolha, é o sonho dos frustrados, ou de todos se filtramos a hipocrisia.

Na música interpretada pelo capital inicial eles citam: “Se um dia eu pudesse ver o meu passado inteiro, e fizesse parar de chover nos primeiros erros, meu corpo viraria sol, minha mente viraria ar, mas só chove, chove, chove, chove.” Seguindo esta linha de pensamento Johnny Cash na sua música (Hurt = Dor, machucar), se pergunta o que ele se tornou, o porquê de que todos com que ele se importa vão embora no final, e ainda é mais agressivo afirmando que quem ficasse ele teria machucado, porém, paradoxalmente, no fim da música ele afirma literalmente: “Se eu pudesse começar de novo, a milhões de milhas distante, eu me salvaria, eu encontraria um jeito.”.

Onde tudo isso se uni é o foco deste texto. Muitas vezes não gostamos dos rumos que tomam nossas vidas, e a incapacidade ou falta de força em mudar o cenário causa um sentimento de angústia extremamente aprofundado, porém, saber que o causador desta situação foi o livre arbítrio, ou seja, nós mesmos, só piora a sensação de derrota e nos deixa em uma encruzilhada. Continuar ou mudar, ainda é uma escolha individual.

Família, filhos, condição financeira e física podem servir como subterfúgio para se manter onde está, justificar e se conformar com a mediocridade, aceitar ser corroído diariamente por um sentimento de insatisfação mas fingir que nada acontece, que é feliz, no mais lúdico significado da palavra, em muitas ocasiões é a escolha mais conveniente a se fazer, mas todos sabemos que não é a única.

Voltando ao inicio do texto, o tempo não volta, não existe segunda chance para o que se foi. Ao menos não da mesma forma, no mesmo momento e com a mesma pessoa, mas o rumo de nossa vida pode ser mudado a qualquer instante, independente da situação. Evidente que existem diferentes graus de dificuldade, mas vai depender muito mais da vontade que dos problemas e isso é fato.

Atualmente vivemos num mundo de cobranças, em casa, no trabalho, no relacionamento, mas a pior cobrança é a que fazemos a nós mesmos, desta não podemos fugir, não podemos dar desculpas, essa é a que temos que resolver, e todos tem esta capacidade, cada um a sua maneira, cada um do seu jeito.

Como este é um texto quase musical, encerro citando Frank Sinatra, na música My Way:

Arrependimentos, eu tive alguns, mas aí, novamente, pouquíssimos para mencionar.

Eu fiz o que eu devia ter feito

E passei por tudo consciente, sem exceção.

Eu planejei cada caminho do mapa

Cada passo, cuidadosamente, no correr do atalho

E mais, muito mais que isso

Eu o fiz do meu jeito

Sim, em certos momentos, tenho certeza que tu sabias

Que eu mordia mais do que eu podia mastigar

Todavia fora tudo apenas quando restavam dúvidas

Eu engolia e cuspia fora

Eu enfrentei a tudo e de pé firme continuei

E fiz tudo do meu jeito”

 

E do meu jeito ainda posso mudar, todos podemos.

 

Problemas de visão

Todos os seres humanos, invariavelmente, sofrem de algum distúrbio de visão. Estes distúrbios podem ser causados por algo físico, psicológico, por uma questão de inocência e principalmente por conveniência, tem sempre alguma coisa que não queremos enxergar, pois uma vez visto existe e existindo tem que ser enfrentado de uma maneira ou de outra.

Quem nunca fez de conta que não percebia as investidas daquela(e) amiga, pois não correspondia ao sentimento e não queria atrapalhar a amizade?, Ou ainda quem nunca se iludiu dizendo que poderia parar de fumar, de se drogar, de beber, de comer, quando quisesse, pois não era viciado? A cegueira conveniente é uma coisa muito comum e faz parte diariamente do nosso cotidiano, isso não vai mudar.

Existe uma diferença grande entre conhecer suas capacidades e ser arrogante, mas será que quando nos colocamos em um patamar capaz de galgar coisas melhores para nossa vida não estamos enxergando apenas o lado que nos convém dessa situação? Será que outras pessoas não são tão boas ou melhores do que nós para fazerem jus ao lugar que desejamos? Certamente que sim, mas não queremos olhar para isso, quase todos optam por olhar para o lado que vai levar ao triunfo, e eles não estão errados.

O importante aqui é saber que existem vários pontos de vista acerca de uma mesma coisa, pontos de vista esses que podem ser completamente diferentes mas igualmente corretos, logo o certo e o errado são relativos e o futuro obviamente incerto.

Não podemos nos contaminar com o negativismo que acompanha as situações complicadas da vida, quando as coisas começam a dar errado tendemos a pensar em coisas ruins, que não podem melhorar, aí é que bate o desespero, a angústia e a depressão, o caminho perfeito para um final tragicamente infeliz.

Saber, falar, entender e explicar é muito mais fácil do que por em prática, até por isso ainda não sei como acabar esse texto, uma vez que minha história está sendo escrita agora. Mas como eu não acredito em coincidência, enquanto digitava essas infames linhas, começou a tocar a música tente outra vez de Raul Seixas, e eu escolhi enxergar que isso é uma mensagem para mim.

 

 

O Efeito Borboleta

Cinéfilo convicto que me considero, fui surpreendido com a afirmação de alguns colegas de trabalho acerca da genialidade do filme chamado “O Efeito Borboleta”. Não que fossem colegas incultos, ou ainda que o filme não mereça tal adjetivo, mas é que naquele momento, com aquelas pessoas, não esperava que se falasse sobre esse filme. E é sobre as incertezas das escolhas que eu quero falar, pois tal qual na película, toda decisão que tomamos desencadeiam uma série de acontecimentos sem que nos demos conta da magnitude das consequências.

Todas as vezes que se chega essa época do ano nos vemos envoltos em sentimentos de recomeços, de mudanças, de melhorias, de tudo aquilo que pode-se modificar juntamente com a mudança do calendário na parede. Isso é natural do ser humano assim como se iniciar regime na Segunda-Feira, inícios tendem a virar sinônimo de mudanças, mas todos nos sabemos que quase nunca acontece desta forma.

Tomamos decisões o tempo todo, desde pegar o elevador ou descer de escada até seguir pela orla ou pela paralela, e não saberemos com antecedência o resultado dessas pequenas decisões. O que fazer então? Ficar prostrado sem fazer nada? Essa não é a questão, a questão é se aceitamos ou não os rumos para os quais nossas decisões estão nos levando e o que podemos fazer para mantê-lo ou modifica-lo.

Minha vida não está exatamente onde planejei, mas para o ano novo estou tentando tomar decisões que a recoloquem em um eixo mais próximo do que eu imaginava, esse ajuste de direção pode fazer com que no final das contas dê tudo “certo”, como eu queria, mesmo por um caminho diferente.

Todos dão importância demais ao ano novo, no final das contas somos todos sempre os mesmos, com o acréscimo das experiências que absorvemos durante os 365 dias passados, como já falou o Skank, “em paz eu digo que sou o antigo do que vai adiante”. Mais importante seria dar maior atenção as nossas atitudes do dia a dia, de rotina, elas podem fazer um estrago que não temos ideia, para nós mesmos e para os outros.

Enfim, isso foi só para desejar que todos sejam melhores e mais felizes, independente da época do ano.

Mas ano que vem… Tudo vai melhorar.

Esse cara NÃO sou eu.

Será que toda mulher realmente quer ter ao seu lado um homem como o retratado na nova música de Roberto Carlos “ Esse cara sou eu”? Será que os homens que desejam desesperadamente ser vistos como “esse” cara prestaram atenção a letra da música?, Vejamos:

 

O cara que pensa em você toda hora
Que conta os segundos se você demora
Que está todo o tempo querendo te ver
Porque já não sabe ficar sem você

Esse cara é absurdamente pegajoso, qual mulher aguenta alguém o tempo todo no pé? Ligando a cada segundo para saber onde ele está e o que está fazendo? Além disso, é inseguro, pois não sabe o que fazer da vida se a mulher não estiver ao lado.

E no meio da noite te chama
Pra dizer que te ama
Esse cara sou eu

A mulher trabalha o dia todo, vai para faculdade cursinho, etc. Quando chega em casa cuida de tudo e arruma tudo para o dia seguinte, cuida dos filhos, se tiver, e finalmente quando consegue deitar para descansar o cara a acorda de madrugada para dizer que ama? QUEM é a santa que não vai mandar ele se …

O cara que pega você pelo braço
Esbarra em quem for que interrompa seus passos
Está do seu lado pro que der e vier
O herói esperado por toda mulher

Nenhuma mulher gosta de valentão, aquele cara que acha que a mulher dele não pode ser olhada por ninguém na rua nem pode ter amigos. Ainda acha que e mulher é dependente e precisa de um homem para protege – la.

O cara que ama você do seu jeito
Que depois do amor você se deita em seu peito
Te acaricia os cabelos, te fala de amor
Te fala outras coisas, te causa calor

Essa parte tá beleza posso até concordar.

Eu sou o cara certo pra você
Que te faz feliz e que te adora
Que enxuga seu pranto quando você chora
Esse cara sou eu
Esse cara sou eu

Essa parte é bem dúbia e pretenciosa, dúbia porque não diz que ele mesmo pode ter causado o choro e pretenciosa porque afirma com toda certeza que é o “cara” certo.

Resumindo, acho que se o cara for literalmente como descrito na música, a mulher vai tirar onda com a cara dele, chamar de otário e dispensar. Além disso, o cara que tentar ser assim o tempo todo vai perder uma boa parte da vida procurando uma mulher que o suporte, até aprender que bonzinho só se dá mal.